27 de março de 2009

tu

cobriste de linho o meu chão e de seda as paredes. deitaste em veludo o horizonte.

subiste entre estrelas por um mar de rosas negras, cobriste de luto todo o tempo e o luar.
abriste a tua mão, subiste à minha estrela e de lá gritas - na tua cor.

se fosses de vento, o luar era cinzento.
todo o teu corpo - sobre o meu - como de magenta o que sobrepões.

se eu te dissesse um segredo, cantarias a toda a gente ou choravas como faço?
preferes o sol ou o meu rosto sobre linhas de águas verdes?

deixa que entre o meu mundo em ti, por quão falsas sejam tuas cores.
As minhas são tão reais: magenta e tu.

se me vires, abraça-me com o olhar.
se me tocares, enlaça-me com os braços.
se me ouvires, deixa que a minha voz te abrace, porque estou a pensar em ti.

3 comentários:

  1. Obrigada pelo comentario...
    Gosto do que escreves...
    gostei particularmente deste...

    ResponderEliminar
  2. gostei, gostei muito.

    a tua forma simples e mágica. colorida, magenta.

    *.* meu nuninho <3

    ResponderEliminar

deixa um vestígio de ti e foge para onde eu te possa encontrar.